terça-feira, junho 21, 2005

Ensaio sobre o Sentimento

O sentimento, palavra muito lata no significado, por vezes até de sentido contraditório, é normalmente utilizada para expressar o nosso sentir.
Classificamos os sentimentos dos outros de bons ou de maus, conforme a manifestação destes está ou não de acordo com os nossos próprios sentimentos.
O ajuizar dos nossos próprios sentimentos, é subjectivo, influenciado pelo juízo que fazemos de nós mesmos, do nosso conceito de vida e daquilo que achamos mais correcto.
Um sentimento de culpa, por exemplo, só existe se acharmos que procedemos mal e nutrimos alguma afinidade com o prejudicado por esse mal, caso contrário o sentimento de culpa já não existe.
Uns consideram ter bons sentimentos, por os padronizar de acordo com as suas convicções e maneira de ser, mas os outros com concepções diferentes podem achar que não.
O sentimento é uma sensibilidade que não tem o mesmo significado para todos, por isso subjectivo, o que implica uma carga egoísta do sentir, e o egoísmo pode protagonizar um mau sentimento.
A afirmação “eu sou uma pessoa de bons sentimentos”, pode não corresponder à verdade colectiva, se ela não for direccionada universalmente, mas sectariamente.
Nutrir amor pelos filhos, não chega, é preciso para a afirmação ser verdadeira, o amor ser universal, caso contrário o sentimento está imbuído do egoísmo maternal.
Uma pessoa de bons sentimentos, é aquela que é sensível ao todo e não à parte, pois ao subjectivar a sua sensibilidade iria dar origem a rejeições, que por sua vez implicariam um mau sentimento.

20 Comments:

Blogger whiteball said...

Belíssimo texto, Augusto!

Abraço imenso, WB do MOCHO

1:19 da tarde  
Blogger Bárbara Vale-Frias said...

O que seria de nós sem os sentimentos?

O que seria da minha escrita sem os sentimentos que despejo naquilo que escrevo? Seria uma escrita oca, fria, desprovida de profundidade. Assim seria também a nossa vida...

Bom ensaio! Bjs

2:14 da tarde  
Blogger Leonoretta said...

"Classificamos os sentimentos dos outros de bons ou de maus, conforme a manifestação destes está ou não de acordo com os nossos próprios sentimentos" disseste tu, e de repente lembrei-me de uma frase de Marcel Proust sobre as palavras, nao os sentimentos mas que...
"claras são as ideias que possuem o mesmo grau de confusão que as minhas".

abraço da leonor

4:32 da tarde  
Blogger AMAFAS said...

É discutível. Se direccionares todo os teus "bons sentimentos" para um número reduzido de pessoas, podes fazer a diferença. Diluindo-o pela totalidade da desgraça, muitas vezes assemelha-se a nada. Não deixa de ser um "Ensaio de Boas Intenções", para além de "Ensaio sobre o Sentimento".

Gostei muito,

Abraço

5:32 da tarde  
Blogger Estrela do mar said...

...Urgente!!!...visita o meu blog...

Beijinhos.

7:13 da tarde  
Blogger stillforty said...

O que seria de nós sem o sentir?
Bom ou Mau, quem sabe...é tudo sentimento.
Bom texto.
Beijos

8:01 da tarde  
Blogger AnaP said...

Achei um pouco confuso o teu texto... Deixa-me cá ver... Sentimentos bons e sentimentos maus. Quando penso na distinção entre os dois tipos, penso que bons sentimentos são a solidariedade, o amor ao próximo, o respeito, a humildade e penso que maus sentimentos são a inveja, a soberba, a arrogância, o ódio... Talvez seja um pouco simplista da minha parte, ou talvez eu esteja a pensar em sentimentos numa perspectiva de "grande plano" e não de "pequeno plano", se é que posso colocar as coisas neste pé. Num outro momento posso pensar em sentimentos como algo realmente muito subjectivo e considerar que o ódio por alguma coisa em particular é, para mim, no meu caso concreto, um bom sentimento, e o amor por algo ou por alguém ser para mim, no meu caso concreto, um mau sentimento.
Se não fiz sentido nenhum, Augusto, então... Sinto muito! :)
Beijocas!

10:16 da tarde  
Blogger Mitsou said...

Ora aqui está um tema para reflectir. Sentimentos e/ou emoções. Belíssimo texto, Augusto. Beijos.

10:41 da tarde  
Blogger lazuli said...

Os grandes criminosos também têm "bons"sentimentos..o amor aos filhos, etc. As aspas são propositadas, pois tais bons sentimentos não fazem deles "boas" pessoas. Ou será que também o conceito de "criminoso" é subjectivo? Que confusão..Claro que tudo isso se interliga aos nossos valores, e à nossa inserção numa determinada sociedade.
Um beijo, Augusto
Fernanda G

2:29 da manhã  
Blogger trintapermanente said...

o que achamos ser bons sentimentos não é mais do que puro egoismo. pois por mais que gostemos do outro fazemos sempre depender esse gostar do maior ou menor prazer que nos proporciona. os maus sentimentos sao as nossas valvulas de escape. por isso muito mais egoistas serão. o sentimento funciona sempre em nosso beneficio. [tou com insonia de tanto calor...]

5:03 da manhã  
Blogger armando said...

Este comentário foi removido por um administrador do blogue.

11:54 da manhã  
Blogger armando said...

sentimento é ... sentir.
O bom e o mau não são praqui chamados.

1 abraço

11:58 da manhã  
Blogger Ana Teresa Bonilha said...

Este comentário foi removido por um administrador do blogue.

7:27 da tarde  
Blogger Ana Teresa Bonilha said...

Tantos já comentaram que muita coisa que iria dizer já foi dita. Acrescento ao comentário da Fernanda que o conceito de criminoso é extremamente relativo.

O Ensaio sobre o Sentimento, fez-me pensar nos Heróis. Faz algum tempo que tenho observado a trajetória daqueles que chamamos de heróis.

Uma grande parte dessas pessoas que lutam pelo bem comum romperam com esposa (marido), filhos, pais, amigos queridos, etc.

Largaram tudo pelo bem comum.

Deixaram a mãe idosa sem amparo. O filho sem colo. A esposa sem a troca com o marido. Eu sei o que eles sentiram. Ou penso saber. Sentiram uma vontade imensa de ir sem amarras lutar por algo. Mas e o que ficou?

Quando gostamos de fazer coisas boas, estas são um prazer. Em nome desse prazer há de se largar àqueles que mais te amam? Aqueles que precisam de ti de uma forma que nenhum outro poderá substituir? Que amor é mais egoísta?

7:31 da tarde  
Blogger Alexandre Narciso said...

O sentimento comanda a vida... sejam eles bons ou maus. Excelente ensaio Augusto. Que tal um texto sobre máscaras e espelhos venezianos? Estou seguro que sairia mais uma perola tua.
Abraço

8:38 da tarde  
Blogger Biranta said...

No fim disto tudo "sinto" que o único sentimento que se justifica é "sentir" a aplicação cabal da lei universal da relatividade à questão da classificação dos sentimentos. Todavia, é imperioso reconhecer que não é vã a "fama" de "bondade absoluta" do sentimento do amor. Sobretudo se as pessoas souberem compreender que, como tudo o que é bom, é "bom enquanto dura" e não se deve deixar estragar... O que é inegável é que o amor transforma as pessoas em seres humanos melhores, faz-nos ver o mundo com optimismo (embora devamos reconhecer que até este facto é relativo e influenciado, para o melhor e para o menos melhor, pelo caracter de cada indivíduo)...

9:07 da tarde  
Blogger Friedrich said...

Senti as tua palavras como se fossem escritas por mim, mas este é apenas o meu sentir, porque elas foram escritas por ti de uma forma muito eloquente. E como os sentimentos é e sempre será, a maneira como o coração de cada um chora... E não há corações iguais, porque muitos até necessitam de by-pass.

Gostei muito deste texto

ABRAÇOS
http://babushka.blogs.sapo.pt/

4:42 da manhã  
Blogger jorge said...

e o meu é um bom sentir quando por aqui venho!
um abraço!

3:08 da tarde  
Blogger Carlos Barros said...

sentimento, sentir, existir, estar, ver, resolver..
~sentimento essa vaga de emoções que se soltam por ai.

11:18 da tarde  
Blogger stillforty said...

Este comentário foi removido por um administrador do blogue.

1:10 da manhã  

Enviar um comentário

<< Home