domingo, junho 01, 2008

Um novo homem, uma nova humanidade,
um novo conceito de estar no Mundo.

O homem não tem vivido verdadeiramente até agora, não autenticamente; o homem tem vivido uma pseudo vida. O homem tem vivido patologicamente, o homem tem vivido doente. E não há necessidade de viver com essa patologia – podemos sair dessa prisão, porque a prisão foi construída pelas nossas próprias mãos. Vivemos numa prisão porque assim o decidimos – porque acreditámos que a prisão não é uma prisão, mas a nossa casa. A minha mensagem para a humanidade é: Chega! Acordem! Vejam o que é que o homem fez ao próprio homem. Durante 3.000 anos, o homem andou a matar homens. (OSHO RAJNEESH)

Quando expressamos a esperança num novo homem com comportamentos que identificamos como correctos, porque recusamos aceitar o que nos é imposto, não podemos esquecer que estamos a apelar à regeneração holística do homem.

Não podemos designar esta humanidade como ser superior, quando só de longe em longe, um Buda floresceu e cada pessoa nasceu para ser um Buda.

Mas o que é que correu mal? Por que é que o homem vive há milhares de anos no inferno? Entre o material e o espiritual, o bom e o mau, entre Deus e o Diabo. O homem tem vivido na dualidade da escolha de ser materialista ou espiritualista. O homem não pode ser ambos ao mesmo tempo. Esta foi a raiz da miséria do homem. Um homem dividido contra si próprio.
Até agora, a humanidade tem sido esquizofrénica, porque lhe foi dito para reprimir, para rejeitar, para negar, muitas partes do seu ser natural. Mas a rejeição não significa que tenham sido destruídas. Ficam a funcionar a partir do inconsciente; assim ficam realmente mais perigosas. O homem é um todo orgânico. E tudo que a Natureza lhe deu deve ser usado. Tudo o que é necessário é criar a harmonia dentro de si mesmo.

Mas aquilo a que chamamos religiões tem ensinado caminhos para a desarmonia, para a discórdia, para o conflito. E enquanto estamos a lutar connosco próprios dissipamos a nossa energia. Tornamo-nos sombrios e estúpidos, porque com pouca energia, ninguém consegue ser inteligente. O transbordar da energia é o que causa o crescimento da inteligência. E o homem tem vivido numa pobreza interior.

Preconiza-se para o homem novo uma nova síntese. O encontro do céu e da terra, o encontro do visível com o invisível, o encontro de todas as polaridades – do homem e da mulher, do dia e da noite, do Verão e do Inverno, do sexo e da beatitude. Só esse encontro propiciará um homem novo.
A divisão interna tem guiado a humanidade para um estado de suicídio. Só tem criado escravos, e os escravos não podem viver realmente, não têm nada para viver. Vivem para os outros. São reduzidos a máquinas, cheios de habilidades, eficientes, mas uma máquina é uma máquina e como tal não conhece o prazer de viver. Só consegue sofrer.

O novo homem que ambicionamos, tem de ser universal, ele terá de transcender todas as barreiras da raça, religião, sexo, cor da pele. O respeito pelo seu semelhante e por tudo que o rodeia e por ele próprio será o fundamento do seu carácter. O homem novo não será nem oriental nem ocidental, reclamará toda a Terra como sua casa.

A vida interna ser compatível com a externa. Não é necessário ser pobre por fora para ser rico por dentro Não é preciso ser rico por fora e deixar de ser rico por dentro. Um balanço perfeito entre a espiritualidade interior e materialidade exterior.

O novo homem não pode continuar a ser um campo de batalha, com a personalidade separada mas, um homem unificado e energético, uma nova forma de estar no cosmos, uma forma qualitativamente diferente de perceber e experimentar a realidade.

O novo homem deverá ser um místico, um poeta, um cientista, tudo junto, que viverá através da consciência e responsável por si próprio e pela existência. O novo homem será aberto e honesto, autêntico. Ele não será hipócrita. Ele não viverá através de objectivos: ele viverá o aqui e agora. Ele só conhecerá um tempo: agora, e só um espaço: aqui.

Teremos, sem dúvida, oportunidade de criarmos um novo homem, não dividido, íntegro e total, mas tens de começar por ti. AGORA.
Bibliogarfia (Osho, Philosophia Perennis, Volume 2, Capítuo 2)

18 Comments:

Blogger tulipa said...

SONHAR é um direito que todos temos.
Eu «sonhei» um dia ter uma «menina», demorou 47 anos a chegar, mas...veio a «menina» que é a luz dos meus olhos.
Convido-te a veres este MOMENTO PERFEITO «Especial».

Tudo de bom para ti.
Um abraço.

8:57 da tarde  
Blogger Å®t Øf £övë said...

Augusto,
Na minha opinião até ser criado um novo Homem, é preciso primeiro que este se destua completamente, e que se leve a si mesmo à extinção enquanto raça. Só depois disso poderá nascer um novo Homem, porque estes são seres de habitos, e já estamos todos viciados em sermos assim... completamente imperfeitos, e cheios de contradições.
Boa semana.
Abraço.

10:01 da tarde  
Blogger Diogo said...

A nível de personalidade já há muito pouco que possamos fazer. Valeu-me a Internet para me abrir mundos completamente novos. Desde que a tenho considero-me um «homem novo».

2:05 da tarde  
Blogger Leonor said...

ola augusto
o homem novo lembra-me nietsche. assim falava zaratrusta. um livro que eu nunca consegui passar da pagina 18.
penso que o problema da humanidade é como dizes a rejeição do homem afirmar-se reprimido ou entao quando se solta da repressao afirmar-se num estado animal.
beijinhos

8:13 da tarde  
Blogger **Je Vois la Vie en Vert ** said...

Olá Augusto,
Encontro muito pessimismo nas tuas palavras.
Um homem novo ? Será possivel ? A história repeta-se sempre mas com outras "palavras".
Antes de sonhar com um homem novo , vamos tentar ver o lado bom do Homem. Sabes, acho que ainda existe o Bem mas "ele" é muito discreto contrariamente ao Mal que faz muito ruído !
Há coisas que não se veêm mas que existem tal como a dor que tenho nas costas : tenho um costela fissurada, é como uma faca nas costas e ninguém se apercebe como sofro porque continuo a sorrir !
:-)
Beijinhos verdinhos

9:09 da tarde  
Blogger Diogo said...

Augusto, sobre o holocausto judeu:

Eu percebo que isto é paradoxal. Até há um ano atrás também eu não punha o assunto em questão. Mas porquê o tabu?

Claro que os alemães eram capazes de gasear milhares de pessoas. Os portugueses espetaram pregos na cabeça de negros (99% inocentes) que iam buscar aos bairros de Luanda para serem interrogados quando deflagrou a guerra colonial. Em Moçambique os comandos portugueses punham mulheres grávidas em fila para ver quantas conseguiam matar apenas com uma bala. Os «terroristas», em Angola, Moçambique e Guiné decapitavam mulheres e crianças portugueses. Os aliados bombardearam cidades alemãs e japonesas provocando (de cada vez) centenas de milhares de mortos.

Na história e actualmente cometeram-se e cometem-se atrocidades inenarráveis. Todos os povos são capazes de o fazer. Porquê este «silêncio» imposto sobre os judeus? Porque não se discute? Porque não se investiga? Pessoas são presas na Europa por «questionarem»! Porquê?

Porque não há uma investigação como deve ser? Se eu fosse judeu ou alemão gostaria de saber toda a verdade. Mas não se pode questionar. É tabu. Os tribunais não admitem! Os tribunais impõem uma versão histórica. Porquê?

8:11 da tarde  
Blogger tulipa said...

É nas palavras que não se dizem, apenas se sentem, que encontramos o sentido do carinho ... é nesse abraço forte que acolhe a vida pressentida em todos os sentidos ...

Bom fim de semana.


Continuo à espera de uma resposta.

3:13 da manhã  
Blogger contradicoes said...

Muito interessante esta tua abordagem. Mas deixo-te uma pergunta.
Face à actual geração acreditas que efectivamente vai nascer um homem novo nesta sociedade em que estão subvertidos todos os valores que referes. Eu pessoalmente meu caro Augusto não acredito. E não acredito pela simples razão porque a sociedade dita moderna está cada vez mais materializada e isso com tão bem sabes, continuará a subverter os mais elementares valores para a tal mudança que muitos de nós almejamos.
Um abraço do Raul

12:25 da tarde  
Blogger Ashera said...

não vai existir homem novo, não estou a ser dramática com esta entrada em cena rs apenas creio que se não for da vontade do ser humano construir em lugar de destruir, jamais existirá evolução.
Ando por aqui a dar pensar que funcionamos tal qual os romanos...
As mesmas estratégias para conquistar, os mesmos loucos de sempre, e o povo paga para sofrer!
Obrigada querido amigo Agusto por me deixares ler-te.
Estejas bem sempre
Beijos no teu coração
Http://ashera.sedrul.net

5:06 da manhã  
Blogger Dad said...

Olá Augusto!

É uma boa reflexão a que colocas, reflexão que é, afinal a do Homem da nova era, daquele que se preocupa, analisa e age por forma a que os seus irmãos caminhantes com ele, enquanto nesta Terra, possam ter direito ao seu quinhão de felicidade, pois ela existe,e o que é preciso é que sejam plantadas as sementes e respeitados os caminhos. Mas como a felicidade não depende unicamente de nós e só é complementada pelo meio envolvente, parece que vai ficando, cada vez mais distante a possibilidade que essa era possa alguma vez chegar. Eu, porque ainda acredito nas utopias, continuo a acreditar e a acordar diariamente com a esperança que cada dia possa ser melhor do que o outro, mas quando ligo a TV e ouço as notícias começo logo a duvidar dos propósitos da manhã, pois cada vez vejo mais individualismo, egoísmo e todos os "ismos" nefastos...porque dos construtivos vejo e sobretudo sinto, muito pouco.
E continuo a lutar no meu pequeno circulo familiar e de amigos para que, pelo menos aí possa ser mais agradável viver, enquanto por aqui andamos. Que de conceitos está o inferno cheio. O que é preciso, acho eu, é que consigamos viver em sintonia com o bater do coração universal... e isso dá muito mais trabalho...
Se assim fosse, se calhar ninguém morria à fome enquanto outros morrem de ataques cardíacos provocados pelos excessos e se calhar as crianças não se sentiam descriminadas - aqueles dos pais sem dinheiro ou de cor diferente - que não podem concorrer com o monstro que criámos de uma Sociedade de Consumo insustentável e elitista e que só nos faz infelizes. Por muito que cheguem Profetas e adivinhos, mensageiros de Deus e filósofos do espírito, só o homem, dentro de si poderá operar a diferença, se se despir pelo menos de parte do seu egoismo e começar a ver no outro o seu segundo eu. Até lá, caminharemos todos para a destruição final pessoal, no desespero das nossas asas quebradas.

Depois desta reflexão um pouco longa, de alguém que diariamente pensa muito nos caminhos e tenta ajudar no possível, quero desejar-te um óptimo fim de semana, já que o sol convida. Eu vou cantar no Centro Cultural de Cascais, esta noite.

Beijinho,

2:42 da tarde  
Blogger tulipa said...

OLÁ AMIGO AUGUSTO

Hoje, porque preciso de fazer um trabalho, fui obrigada a reler todos os posts do meu kalinka e fui andando para trás, desde Abril/2008, que fechei a porta e já vou em Junho de 2007, precisamente há um ano atrás eu escrevia isto:

No próximo dia 21 de Junho, pelas 19h30, vai ter lugar a sessão de lançamento do meu primeiro livro “Onde estiveste, Jesus?” no Ondajazz - Travessa Arco de Jesus,7 Campo das Cebolas. Estão todos convidados.
http://klepsidra.blogspot.com/
POIS É...e eu estive lá.
Amigo, o tempo voa!!!
Continuo à espera que respondas aos meus e-mails, pode ser?
Beijinhos.

8:23 da tarde  
Blogger Å®t Øf £övë said...

Augusto,
Deixo-te um abraço, e desejo-te uma boa semana.

11:00 da tarde  
Blogger Ashera said...

Querido amigo Augusto
Muito obrigada por visitares as "capelas" e orar na nossa ausência, foi à luz do candeeiro que te li, se algum paragrafo falhar, foi....
Etc.etc e etc.
Ah!
Mas, mas já te respondi lá meu sitio:
http://ashera.sedrul.net
Já agora para adiantar assunto, aqui no "privê":
(tá-se) rsrsrs
Beijos e muitos beijos
Feliz semana

2:15 da manhã  
Blogger Ashera said...

já estava de saída e reli aqui os nossos amigos, com mais ou tantas interrogações que eu :-(
Neste momento penso que:
Pode haver um desequilíbrio a terra está "possuida" de elementos negativos poluidores e nefastos "tipo poluição" e onde há mais concentração de poluição (tipo América) mais obsessão pela criminalidade, mas, se formos para a America do sul(Brasil) eles combinam factores intermédios,
Mas, não têm capacidade de agir como os do "Norte"!
O Clima é o contributo fundamental para o desenvolvimento de civilizações, no entanto,as populações tudo fazem para alterar o seu "estilo" e tipo de vida.
Daí que, as pessoas quanto mais desejam mais infelizes irão ser , ontem , hoje e amanha,(Há pessoas que me são similares)...
.....
Beijos
Ps
Deixo aqui link para Guadix:
http://www.cortijo-granada.com/guadix.html
Um dos mais belos sitios em que já estive!

2:36 da manhã  
Blogger AJB - martelo said...

num futuro, quiçá longínquo, acredito que seja possível fazer desta utopia uma realidade mais abrangente... por agora, creio que se mantem a tradição da guerra, da luta, da inveja, do desiquilíbrio e da instabilidade... embora ainda se encontre muita coisa boa neste quotidiano de contradição.
abç

10:43 da tarde  
Blogger Diogo said...

Então Augusto? De férias?

8:36 da tarde  
Blogger Carmem L Vilanova said...

Querido amigo Augusto...
Estive um tempo ausente, pois os afazeres sao interminaveis, mas sempre dou um jeitinho de nao perder o contato total com os que tanto quero bem...
Um beijo grande, com muitas flores e sorrisos...

2:50 da manhã  
Blogger Å®t Øf £övë said...

Bom fds Augusto.
Abraço.

10:40 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home