quarta-feira, fevereiro 23, 2005

Lembranças IX

O edifício do serviço de cirurgia tinha dois andares, o rés do chão onde ficavam as enfermarias dos doentes que aguardavam intervenções cirúrgicas ou estavam em pós operatório. Em ambos os casos, os doentes não eram feridos de guerra, mas tão só doentes de qualquer doença, apendicite, hérnias, quistos etc. e sinistrados ligeiros dos exercícios de treino nos quartéis. Também neste piso ficava o serviço de urgência, que normalmente é designado por banco. Esta do banco está bem adjectivada, se pensarmos no tempo de espera, sentados no banco, que passamos nas urgências dos hospitais para sermos atendidos.
No hospital militar não havia banco, todos os sinistrados eram prontamente atendidos, e olhem que eram muitos. Estávamos em guerra e a preparação militar procurava recrear situações o mais reais possíveis, inclusive o uso de munições verdadeiras. Todos os dias recebíamos sinistrados com membros fracturados, e por vezes alguns com uma ou outra bala extraviada alojada. Tínhamos mesmo muito trabalho.
Enquanto instruendos do curso de enfermagem, não nos era autorizado circular noutro local que não fosse no rés do chão. Todo o serviço prático era feito nas enfermarias e na sala de tratamentos do serviço. Mas a curiosidade é grande e começamos a conjecturar o que estaria nas enfermarias do piso superior. Havia unanimidade na resposta, eram os feridos mais graves vindos da guerra.
Às nossas perguntas, o sargento monitor, respondia que tínhamos tempo de ver o que por lá se passava, por agora que ficassemos por onde estávamos para não atrapalhar.
O grupo de alunos de enfermagem, era muito mais pequeno que o pelotão de Mafra o propiciou um melhor conhecimentos uns dos outros, e dar início a amizades. Fiz dois amigos, o Galrinho e o Victor, que foram meus camaradas no hospital durante todo o tempo até passarmos à disponibilidade juntos.
Um dia também o curso chegou ao fim, após ter aprendido a dar injecções na perfeição, fazer suturas, pensos, curar feridas, fazer gessos, medir a tensão arterial, um sem fim de coisas, que por muitas que fossem, eram muito poucas comparado com o que viríamos a aprender na prática no futuro exercício da especialidade.
Eu e os meus amigos ficámos nos três primeiros lugares do curso, o que nos deu colocação imediata no serviço de cirurgia (a especialidade cimeira do hospital). Postas as divisas de cabo miliciano, fomo-nos apresentar ao sargento chefe das enfermarias do serviço de cirurgia, que ficava no primeiro andar, o tal onde não queriam que nós fossemos espreitar, para um suposto estágio pós formação.
O chefe das enfermarias era um primeiro sargento do quadro, lateiro como se dizia na gíria, mas ao contrário do que era normal com estes sargentos, era uma óptima pessoa, sempre bem disposto, e pronto a ajudar no que quer que fosse. Só impunha uma condição: ausentar-se sempre que precisava para exercer a sua profissão, não no exército mas na vida civil. Entre outras coisas era massagista no Sporting. Mas fora o pecado, o gajo era mesmo porreiro, o que se reflectiu e muito na nossa vida hospitalar. Não me lembro do seu nome, mas vou passar a trata-lo por António.
O nosso primeiro dá licença?, pedimos nós à entrada do seu gabinete, que era simultaneamente o gabinete médico, para entrarmos. Entrem, respondeu ele olhando para nós sentado atrás de uma secretária, e com um sorriso estendeu a mão e cumprimentou-nos. Então foram vocês que me saíram na rifa? É verdade respondeu um de nós. Vocês eram enfermeiros na vida civil antes entrarem para a tropa? Voltou a perguntar. Não, tirámos o curso de enfermagem aqui no hospital e vimos estagiar.
Após uma breve pausa, apoiou os cotovelos na secretária, uniu as mãos e pousando o queixo sobre elas disse. Estou f…., tenho seis enfermarias e só tenho quatro enfermeiros com experiência, os outros foram todos mobilizados para o Ultramar na semana passada. Não sei o que o Horta quer que faça (o Horta era o coronel médico director do hospital). O pomba branca (era a alcunha do sargento ajudante, enfermeiro mor do hospital) não liga nenhuma, só se interessa pela limpeza, o resto a gente que se desenrasque. Isto não um serviço de medicina, aqui temos muito mais trabalho.
Findas as lamentações nova pausa, esta mais prolongada. Endireitou as costas na cadeira, cruzou os braços sobre o peito e com a voz num tom mais sério interrompeu o silêncio. Têm de se desenrascar, não há estágio nenhum, dois de vocês vão tomar conta das duas enfermarias que não têm enfermeiro, até vão aprender mais depressa. O terceiro fica aqui comigo a tratar da m… da papelada.
Mas nosso primeiro, não temos prática para tratar dos doentes, argumentou o Galrinho. Não faz mal eu estou aqui para vos ajudar, contrapôs.
Nova pausa. Os olhos dele agora sorriam maliciosamente, e nós entendemos que a escolha da distribuição era nossa. E decidimos, uma enfermaria para mim, outra para o Galrinho e a escrita para o Victor, que tinha o estômago mais fraco para digerir tal petisco. A escrita do serviço, por seu lado, também não era coisa fácil. Ler os boletins médicos, com aquela letra horrível que mais parece linguagem em cifra, para ver as prescrições medicamentosas e fazer as respectivas requisições, tratar das altas, transferências, exames médicos etc.
O sargento visivelmente satisfeito, levantou-se, dirigiu-se para a porta, e com um gesto de convite a indicar a saída do gabinete, disse: o meu nome é António e agora vou mostrar as dependências do hotel.

12 Comments:

Blogger Alexandre Narciso said...

Já tive oportunidade de te o dizer: sou fã incondicional das tuas lembranças do tempo da tropa. Abraço

2:24 da tarde  
Blogger Águas de Março said...

Ah, senhor cabo miliciano! Agora é que vais comecar essa guerra, heim?
Venha o resto!
Beijo,.

3:19 da tarde  
Blogger BlueShell said...

Não tem a ver com o post...

Todos me perguntam se ontem gritei. ..
Não cheguei a gritar...consegui passar por tudo sem gritar. Por vezes o meu corpo sentia-a com tanta intensidade que quase desmaiava. A cama parecia tremer de tempos a tempos...mas eu dizia para mim mesma " Não grites, olha os vizinhos, ...assim vão ouvir-te" .
E recolhia o grito na garganta. A cabeça às voltas e o corpo, de novo, a querer sucumbir...mas não GRITEI! Estava toda molhada e o suor cobria-me o corpo todo...

Era da febre, hoje estou melhor...a dor de cabeça já passou e EU NÃO GRITEI!

4:42 da tarde  
Blogger Cecília said...

Os sargentos sempre souberam governar-se... É fantástico, todas as histórias que conheço, desta guerra, tÊm um sargento que se arranja da melhor maneira que pode!
Um abraço.

8:30 da tarde  
Blogger boavida said...

Estas suas "Lembranças" são deliciosas!

4:10 da tarde  
Blogger jorge said...

olá augusto,
finalmente actualizei a leitura!
o texto sobre o egipcio é excelente e estas memórias em tom fluído absolutamente deliciosas.
estou curioso sobre esse segundo andar!...
um grande abraço e obrigado pela reposição.
ps- have a nice weekend!

5:43 da tarde  
Blogger BlueShell said...

Memórias...gostei de ler. Hoje sim, Augusti, tive tempo. fica bem
BOM fds e Beijo caloroso, BShell

11:13 da tarde  
Blogger paopbocca said...

sou fã incondicional destes textos sobre a tropa.
resto de bom domingo.

8:43 da tarde  
Blogger polittikus said...

è bom estar por cá para recordar...

3:17 da tarde  
Blogger augustoM said...

Olá amigos, estive uma semana ausente mas estou de volta.

Olá Alexandre
Ainda ben que tenho fãs com quem partilhar lembranças de tempos difíceis.
Um abraço. Augusto

Olá Ana Maria
O cabo miliciano apresenta-se para contar uma das coisas mais tristes que aconteceu à juventude daquele tempo.
Um beijo. Augusto

Olá Shell
Ainda bem que estás melhor.
Um beijo. Augusto

Olá Cecilia
É bem verdade, eram os sargentos lateiros no seu melhor.
Um abraço. Augusto

Olá Boavida
Infelizmente vão passar a ser deliciosamente amargas.
Um abraço. Augusto

Olá Jorge
O segundo andar que está para começar a sair em breve, ficou intemporal na actualidade.
Um abraço. Augusto

Olá Paopbocca
Fico contente em ter a oportunidade de divulgar, uma das nossa maiores tragédias, a todos que desconhecem quanto a minha juventude padeceu.
Um abraço. Augusto

Olá Polittikus
Recordar é também uma forma de homenagear.
Um abraço. Augusto

Estas minhas lembranças são o veículo que eu encontrei para prestar a minha homenagem a todos aqueles que, sem porem em causa as ordens que lhes eram dadas, serviram a Pátria dando por ela o seu sangue. Aceito que hoje seja difícil compreender tal atitude, mas é para a sua compreensão que eu escrevo estes textos.

9:54 da tarde  
Blogger BlueShell said...

Andas atrapalhado a dar os últimos testes do período???
Jinho imenso aqui da BShell

3:11 da tarde  
Blogger Fernando B. said...

Um dia eu fui à guerra... Estava eu a matar muito quentinho (cochilando)quando me apareceu o inimigo. Convidei-a para se embrenhar no capim comigo e depois... Furiere, é bom Furiere... e depois cada um foi para a sua Guerra. E prantos, como diria o cabo cozinheiro, acaba-se aqui a estória.

Se querem mais vão matar para a minha guerra.

Amigo Augusto, hoje estou só a brincar.

Um Abraço,

12:51 da manhã  

Enviar um comentário

<< Home