sexta-feira, janeiro 28, 2005

Lilith, mito hebreu


Os mitos hebreus tradicionais normalmente ampliam ou alteram radicalmente as histórias contadas na Génesis do Antigo Testamento: é o caso de Lilith.
Lilith é um demónio feminino particularmente temido pelos hebreus. É mencionada uma única vez na Bíblia (Is 34, 14) “ nela se reúnem hienas e gatos selvagens, e os sátiros chamarão uns pelos outros; a escuridão habita nesses lugares e neles encontra o seu repouso” Aqui a escuridão é Lilith, figura fantasma que habita no breu.
A Lilith hebraica liga-se aos lilitu, espíritos fêmeas da demonologia babilónica. O Talmude, o Midrash e a literatura posterior, especialmente a cabalista, criaram gradualmente uma imagem dela que a torna símbolo da feminilidade negativa. É uma sedutora, criatura alada de compridos cabelos, que vem surpreender quem dorme sozinho em casa.
Sendo rebelde, aspira a ser igual ao homem: criada do mesmo barro que ele, e não tirada da sua costela como Eva, segundo a Génesis do Antigo Testamento, ela foi antes de Eva, a primeira esposa de Adão e recusou deitar-se debaixo dele no momento do amor.
É, por fim, a mulher que privilegia o ataque às parturientes e aos recém-nascidos. O seu lugar na hierarquia das trevas é especialmente elevado: é a companheira de Samael, anjo da morte, serpente primordial, chefe de todos os satanases.
O terror que ela inspira está na origem de práticas mágicas destinadas a proteger da sua influência maléfica: amuletos presos à cama da mulher que está de parto ou atados ao pescoço do bebé, invocando os três anjos encarregados de neutralizar a sua acção, na noite de vigília antes da circuncisão.

A história de Lilith segundo a tradição hebraica.

Deus criou o homem não tendo previsto a procriação. Assim Adão tentou a cópula com as fêmeas dos outros animais, mas não encontrava satisfação no acto. Consequentemente disse a Deus: “cada criatura tem uma fêmea apropriada menos eu”, e Deus com pena remediou esta injustiça.
Deus criou então Lilith, a primeira mulher, dando-lhe a forma de Adão, mas fê-la com imundice e sedimentos em vez do barro com que tinha feito Adão.
Lilith para além da união com Adão tinha relações com Naamah das quais tiveram inúmeros demónios, que flagelam ainda a humanidade. Reza também a tradição, que muitas gerações mais tarde, Lilith esteve no julgamento de Salomão disfarçada de prostituta de Jerusalém.
Adão e Lilith nunca conseguiram viver em harmonia. Quando Adão desejou ter relações sexuais com Lilith, esta reclamou: “porquê a obrigação de eu ficar debaixo de ti? “Eu fui feita também de poeira e consequentemente sou igual a ti”. Quando Adão tentou forçar Lilith, esta com raiva, expressou o nome mágico de Deus, elevou-se no ar e foi-se embora.
Adão queixou-se a Deus: “eu fui abandonado pela minha companheira”. Deus então, incumbiu os anjos Senoy, Sansenoy e Semangelof de irem buscar Lilith.
Encontraram-na nas margens do Mar Vermelho, numa região onde abundavam sensuais e lascivos demónios. “Retorna para Adão imediatamente ou nós afogamos-te”, disseram os anjos.
Lilith retorquiu: “como posso retornar para Adão e viver como uma dona de casa honesta, depois de estar no Mar Vermelho?”
“Será a tua morte se recusares”, responderam os anjos. “Como posso eu morrer?”, respondeu Lilith outra vez, “ quando Deus me fez, incumbiu-me de velar por todas as crianças recém-nascidas: meninos até ao oitavo dia, dia da circuncisão; as meninas até ao vigésimo dia. Contudo terão de ter os vossos três nomes escritos no amuleto de cada criança, eu prometo poupá-los.”
Os anjos concordaram; mas Lilith foi punida por Deus fazendo cem das suas crianças e do demónio desapareceram diariamente, e se não podia destruir alguma criança por esta ter o amuleto, agiria com raiva contra as suas próprias.
Lilith contudo escapou à inevitabilidade da morte que alcançou Adão. Lilith e Naamah não estrangulavam somente as crianças, mas seduziam também os homens que dormiam sozinhos, pois estariam mais receptíveis às suas tentações.
Esta é a história tradicional hebraica de Lilith, mas então o Adão ficou solteiro?
Não, a tradição hebraica também tem a resposta. Impávido pela sua falha para dar a Adão uma companhia apropriada, Deus tentou outra vez, e prestou mais atenção quando construía a anatomia de uma mulher: usou ossos, tecidos, músculos, sangue e segregações glandulares e depois cobriu com pele todo o corpo, colocando cabelo nos lugares certos.
Apesar da sua beleza, a visão dela causou uma tal aversão a Adão, que Deus resolveu substitui-la, não se sabendo para onde ela foi.
Deus tentou uma terceira vez, agindo mais prudentemente. Utilizou uma costela de Adão, enquanto este dormia, e deu-lhe forma de mulher, pintou-lhe o cabelo e adornou-a como uma noiva, antes de acordar Adão.
Sarada a ferida, Adão acordou e disse, esta será chamada de “mulher”, porque foi criada a partir de um homem. Eva era o seu nome que quer dizer “a mãe de todo o vivo”.
Este texto proveniente de uma pesquisa que efectuei, é dedicado à Ana Maria das Águas de Março.


17 Comments:

Blogger paopbocca said...

sou o primeiro. ponho-me na fila para a Lilith. gostei de ler. engraçado não conhecia esta Lilith. viver para aprender.
"é a companheira de Samael, anjo da morte, serpente primordial, chefe de todos os satanases.". fogo!

12:46 da manhã  
Blogger stillforty said...

Boa esta da Lilith, não conhecia a história.
Beijinhos

1:53 da manhã  
Blogger blimunda said...

lilith. essa incompreendida... olha se deus não cria a eva?... se calhar o kama sutra explodia e com ele o adão. ( o que não é um pensamento que me desagrade...) tá a bem de ver que só podia ser um personagem judaico-(cristão) ... eheheheheh. ( acho particularmente interessante o facto da lilith se recusar a "ficar sob o adão "... ) já a eva não. mas apesar de tudo ainda se lembrou de deambular lá pelo éden. e encontrou o pomo de ouro... o que nos leva a pensar que se calhar deus tem um sentido de humor refinado... eheheheh

7:47 da manhã  
Blogger Yardbird said...

Bela história, a da Lilith.
Já viste que a Blimunda não desgostava que o Adão explodisse? Que pensamento tão estranho!
Um abraço, amigo

5:51 da tarde  
Blogger paopbocca said...

voltei para ler o resto da história.
compreendido. as mulheres são. umas megeras. e há uma principalmente ;) uma tal de Blimunda. que não se importava. que o Adão explodisse. tás a ver, não?
abraço.

11:15 da tarde  
Blogger chemistry said...

Lilith, não conhecia a história.
Lançam-te desafios e tu escreves?
Boa! Esta história da Lilith é fabulosa.
E tu conta-la muito bem.
Até sempre.

11:51 da tarde  
Blogger polittikus said...

Não conhecia o mito. Uma bela história perdida no tempo...

12:46 da tarde  
Blogger Menina_marota said...

eheheh já andei por aí num "terreno" qualquer com esse nick...Lilith! Porque seria? eheheh
http://eternamentemenina.blogs.sapo.pt/

2:50 da tarde  
Blogger AnaP said...

Mais uma vez, Augusto, aprendi algo contigo. A Ana Maria das Águas de Março é a pessoa ideal para discutir estes temas, acredita! Um grande beijinho para ti!
Ah, e no fim de contas, parece que temos todas um pouco de lilith e de eva... :-)

3:27 da tarde  
Blogger Menina_marota said...

Voltei aqui. Obrigada pelo comentário no meu "refúgio"... Bem, o meu nick Lilith, foi uma brincadeira num grupo, onde todos/todas, faziamos referência à mitologia. Como o que eu queria mesmo, estava atribuído, escolhi este... pela diferença... eheh. Mas que fique registado, que nada tenho a ver com a verdadeira (se é que existiu...) Lilith!
Abraço e :-)))
http://eternamentemenina.blogs.sapo.pt/

12:37 da tarde  
Blogger Alexandre Narciso said...

Mais uma excelente investigação, e um excelente resultado pratico da tua parte Augusto. Aprendo muito ao ler-te. Li o texto por duas vezes e não mais vou esquecer o caso de Lilith.
Forte Abraço

2:06 da tarde  
Blogger Águas de Março said...

Mas que pouca vergonha esta, com um texto dedicado e tudo, e só agora é que apareco, hem?!
Pois Augusto, obrigadíssima pela tua optima pesquisa, que toca os pontos base que eu tinha, mas que me trouxe igualmente bastantes outras coisas.
Aqui nas caves da Rundtårn, funciona uma parte dos arquivos de textos canónicos e apócrifos da história religiosa que infelizmente não está disponível nem para estudantes de teologia,(esta é forte!) o que torna a história muito mais interessante de descobrir, como é obvio.
Não me admiro se de facto tiver sido assim; pelo menos explica, ou justifica, porque diabo a Eva, à cautela, foi criada a partir da tal costela histórica...
Gostei muito de ler o teu texto e agradeco-te imenso a pachorra que me dedicáste, Augusto. Beijo.

Também à Ana das tretas pelo crédito que me dá:oxalá fosse merecido, :)
Beijo grande,
Ana Maria

1:10 da tarde  
Blogger jorge said...

fiquei com mais vontade de ir ver o mar vermelho!...

bela(s) história(s), como sempre escrita(s) como se de um canto visses o enredo!
abraço.

5:34 da tarde  
Blogger trintapermanente said...

Estás em destaque no meu blog.E como meu pai vou até fingir que não li nada disto. um pouco machista este text, não? ;-)

11:48 da manhã  
Blogger BlueShell said...

Aprendi, como sempre. Gostei, como sempre! Jinho, BS

10:26 da manhã  
Blogger augustoM said...

Olá Paopbocca
Nem eu, foi uma pesquisa por sugestão da Ana Maria do Águas de Março.
Um abraço. Augusto

Olá Stillforty
Então ficamos os dois a conhecer a Lilith
Beijinho

Olá Blimunda
Essa de quereres explodir o Adão com o Kama Sutra é muito competitiva.
Um beijo Augusto

Olá Yardbird
Eu talvez compreenda a Blimunda, o que ela devia quer dizer é que o prazer sexual não pertence só ao homem.
Um Abraço. Augusto

Olá Wearetwo
É verdade, mas não é para abusar, pois cá o rapaz não é nenhuma enciclopédia.
Um abraço. Augusto

Olá Polittikus
Ainda bem, fico satisfeito de apresentar algo desconhecido. Já consegui entrar no teu blog. Não sei o que é que se passou.
Um abraço. Augusto

Olá Menina Marota
Espero bem que não, pois não há homem que resista ao apetite da Lilith.
Um abraço. Augusto

Olá Alexandre
Aceitei o desafio da Ana Maria e quando iniciei a pesquisa fiquei logo interesado pelo asssunto.
Um abraço. Augusto

Olá Ana Maria
Não querias mais nada, todos a consultarem os arquivos da história religiosa, e descobrirem que o que é, não é, mas que eles querem que tenha sido.
Adão andava tão desesperado, que Deus criou logo uma mulher de grandes apetites para o apaziguar, mas foi excessivo, e teve de criar outra mulher mais dentro das suas possibilidades.
Um beijo. Augusto

Olá Jorge
Cuidado não vá aparecer por lá outra Lilith.
Um abraço. Augusto

Olá Trintapermanente
Maxista eu? Coitado do Adão não tinha pedalada.
Beijinho do pai

Olá Shell
Vê lá o que é que aprendeste, nada de exigências do tipo Lilith.
Um beijo. Augusto

1:02 da tarde  
Blogger augustoM said...

Olá AnaP
Já me ia a esquecer de agradecer a tua visita.
Um beijo. Augusto

2:24 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home